Páginas

13 de jan de 2013

Resenha: O Azarão de Makus Zusak

Narrado em primeira pessoa, o livro apresenta a história de Cameron Wolfe, um garoto de 15 anos, perdido na vida e que vive às turras com a família. Trabalha com o pai encanador e sua mãe está sempre brigando com os filhos, na pequena casa onde todos moram juntos. Steve é o mais velho e mais bem-sucedido. Sarah é a segunda, e está sempre dando uns amassos com o namorado. Rube é o terceiro e o mais próximo de Cameron. Os dois, além de boxeadores amadores, vivem armando esquemas para roubar lojas e outros locais do tipo. Contudo, os planos nunca saem do papel. Uma história sobre a vida e sobre as lições que dela podem ser tiradas. Um romance de formação que exibe um jovem incorrigível, infeliz consigo mesmo e com sua vida. 


ResenhaO livro é fascinante, divertido e muito bem escrito. A escrita segue a mesma ordem de A Menina Que Roubava Livros e Eu Sou o Mensageiro, bem diferente da de outros autores.

 Cameron Wolfe é um garoto de 15 anos que tem nada na vida, como qualquer outro na mesma idade. Não sabe o que quer nem o que é. Cameron vive planejando roubos com seu irmão, Rube, que nunca dão certo e não passam de apenas planos idiotas, é em um desses planos, que quase funciona, não fosse a idiotice de ambos, que Cameron descobre o amor, ele se apaixona pela secretária do dentista que eles pretendiam assaltar, mas foi apenas um amor de um dia.
 Cameron tem outros irmãos, Steve, que é o mais velho e mais bem sucedido deles e Sarah, que esta sempre dando uns fortes amassos no namorado. Cameron e Rube vivem brincam de boxe, onde sempre saem cheios de dores, marcas e cortes, mas isso não os impede de continuar. A mãe esta sempre brigando com eles, por serem uns fracassados e por a envergonhar sempre.
 Quando Cameron decide mudar sua vida, depois de conhecer a garota, filha do casal para quem seu pai esta trabalhando e ele ajudando, ele percebe que sua vida não é nada, a não ser medíocre. Cameron percebe que sua vida e a de toda sua família não é a mesma, tudo mudou, nada faz sentido e ele quer ter algum significado no mundo.
Cada capítulo termina com um sonho de Cameron, um mais louco do que o outro e o mais interessante de todos é o que ele sonha com Jesus, é a partir dai que ele percebe que não precisa saber quem é, mas o que é.
 Markus Zusak mais uma vez impressiona e nos deixa de boca aberta com sua incrível capacidade de escrever sobre a vida, de uma forma que ninguém mais consegue.




15 comentários:

  1. Oi Markos,
    É a primeira resenha que leio sobre o livro e gostei bastante. Parece ser bem divertido. Falando nisso, tenho que terminar de ler a menina que roubava livros rs.
    Bjs

    Joyce
    entrepaginasesonhos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro é divertido sim, é bem juvenil, mas ao mesmo tempo, bem adulto.

      Excluir
  2. Markus Zusak, ele é um dos meus autores favoritos. Já li os dois outros dele lançados no Brasil e me apaixonei.
    E olha, fico impressionada como o cara tem um talento inigualável. Esse foi o primeiro livro dele até onde eu sei, e como você notou ele tem essa habilidade incrível de escrever sobre a vida, e isso você pode notar mais ainda em Eu Sou o Mensageiro.
    Enfim, acho que já falei demais.

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Disse tudo Luara. Eu Sou o Mensageiro é super forte, bem realista e um tipo de tapa na cara pra quem acha que tem a vida perfeita.

      Excluir
  3. E aí , cara? Bom, antes de mais nada quero dizer que adorei a resenha. Já li A menina que roubava livros e gostei bastante. Agora tô super ansioso pra ler O azarão :D
    E em segundo lugar, vim aqui também pra dizer que nomeei seu blog no meu, para participar de um selinho :D
    Dá uma conferida lá: http://umsimplesleitor.blogspot.com.br/2013/01/selinho.html

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se puder leia mesmo Vítor, o livro é muito bom, curtinho e super fácil de ser lido.

      abração!

      Excluir
  4. A resenha ficou muito boa e bem feita
    Mas não me chamou muita atenção
    Acho que não faz muito meu estilo

    Beijos
    @pocketlibro
    pocketlibro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Se for mesmo semelhante à A Menina que Roubava Livros, é mais um livro que tenho que ler, pois parece ser bem interessante ^^
    Ótima resenha!

    Abraços,
    http://therevolucaonerd.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é igual ou parecido, mas segue a mesma linha de narrativa.
      É fantástico!

      Excluir
  6. Pela capa nunca iria ler esse livro e nunca iria imaginar que se tratava da história de um adolecente e problemas relacionados mas pela sua resenha a história é muito legal... poxa quero ler.

    Beijos, me visita?
    http://amostradelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, no começo achei a capa meio tosca, mas como é Zusak, vale a pena.
      Se puder leia mesmo Mariana, não vai se arrepender.

      Bjão!

      Excluir
  7. Eu li A Menina que roubava livros e gostei muito da escrita deste autor, se ele conseguiu manter o perfil neste livro, vou gostar muito.

    Bjos!!
    Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro é bem anterior em relação a esse, foi escrito antes e lançado agora no Brasil, mas a escrita é a mesma, segue a mesma ordem e regra.

      Bjão Cida!

      Excluir
  8. Oi Markus, primeira vez que acesso o seu blog e me deparo com a resenha do livro que eu mais quero ler. Então, queria ler O Azarão porque o autor era o Zusak, um dos melhores autores na minha opinião, gosto muito dos livros dele e queria ler esse de cara, mas não sabia do que se tratava e de nem como é a narrativa. Depois de ler e saber a sua opinião na resenha me interessei ainda mais pelo livro que me lembrou Eu Sou o Mensageiro..

    Abraços
    www.entrepaginasdelivros.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lembra mesmo um pouco Eu Sou o Mensageiro. A narrativa é a mesma, não muda muito, é algo bem pessoal e em primeira pessoa, pode até se dizer que é um tipo de diário.

      Excluir